• 01-karina-oliani-bahamas
  • 02-karina-oliani-bahamas
  • 03-karina-oliani-bahamas
  • 04-karina-oliani-bahamas
  • 05-karina-oliani-bahamas
  • 06-karina-oliani-bahamas
  • 07-karina-oliani-bahamas
  • 08-karina-oliani-bahamas
  • 09-karina-oliani-bahamas
  • 10-karina-oliani-bahamas
  • 11-karina-oliani-bahamas
  • 12-karina-oliani-bahamas
  • 13-karina-oliani-bahamas
  • 14-karina-oliani-bahamas
01-karina-oliani-bahamas02-karina-oliani-bahamas03-karina-oliani-bahamas04-karina-oliani-bahamas05-karina-oliani-bahamas06-karina-oliani-bahamas07-karina-oliani-bahamas08-karina-oliani-bahamas09-karina-oliani-bahamas10-karina-oliani-bahamas11-karina-oliani-bahamas12-karina-oliani-bahamas13-karina-oliani-bahamas14-karina-oliani-bahamas

Mergulho com Tubarões nas Bahamas

Com o objetivo de chamar a atenção do mundo sobre a matança desenfreada e cruel dos tubarões que têm um papel importantíssimo no equilíbrio dos mares, Karina convidou o fotógrafo e amigo Alexandre Socci para uma sessão de fotos subaquática em um santuário de tubarões nas Bahamas.

Com 5 quilos de lastro na cintura em uma profundidade de 18 metros, sem nadadeira e sem máscara, usando vestidos longos de festa do grande etilista Arthur Caliman, a mergulhadora passou um dia inteiro de olhos abertos na água salgada rodeada por tubarões, os vestidos de uma certa maneira impediam seus movimentos, prendendo a respiração durante aproximadamente dois minutos diversas vezes para conseguirem o “click perfeito”.

Em uma situação indefesa e sem proteção, esse ensaio, intitulado Sharks n’Dresses, provou que esses animais não são  assassinos. Estima-se na realidade que 100 milhões de tubarões são mortos pela indústria pesqueira todos os anos. E a expedição não parou por aí…

Dessa vez, vestindo uma malha de aço, Karina ainda alimentou diversas espécies de tubarões em um naufrágio sob a orientação de Stuart Cove.

Em Bimini, juntamente a um de seus ídolos, o Neal Watson, considerado o “deus do mergulho” com mais de 60 anos de experiência no mergulho, Karina mergulhou com o tubarão martelo gigante. De aparência incomum e única, essa espécie possui um sentido onde consegue captar impulsos eletro-magnéticos de baixa intensidade, como a respiração e o batimento cardíaco de suas presas.